INTERLEITE BRASIL 2018

Nos dias 08 e 09 de agosto, aconteceu em Uberlândia o Interleite Brasil 2018. O evento já acontece há 24 anos, e hoje é considerado o maior evento da cadeia produtiva do leite no Brasil voltado principalmente para os produtores de leite. Participantes de todo país estiveram presentes, discutindo e trocando experiências sobre tecnologia, gestão de pessoas, competitividade e pecuária de precisão. Os moldes atuais do evento trazem um palestrante com muito conhecimento técnico sobre o assunto e os produtores rurais, falando sobre como o tema em questão funciona na prática de suas propriedades. O que faz com que o produtor presente, possa trocar experiências e informações com aqueles que também vivem do negócio.

Entre os presentes neste último ano estavam grandes nomes da pecuária de leite brasileira, e entre eles uma prata da casa, Júlio Meirelles Neto, filho do associado da COOPERVASS, Henrique Almeida Meirelles apresentou uma palestra sobre gestão financeira do negócio leite. Júlio é formado em agronomia pela Esalq/USP e trabalha na Clínica do Leite, em Piracicaba. Um ponto muito discutido durante o evento foi a importância da tecnologia no meio agropecuário e como ela vem trazendo muitos benefícios, além de facilitar a vida de quem está no campo.

Empresas conhecidas como startups foram apresentadas, essas pequenas empresas, normalmente formadas por equipes muito jovens e que começam dentro de universidades tem inovado e trazem para o mercado novas soluções. Diante da velocidade que as mudanças no mundo têm acontecido, empresas grandes têm fechado suas portas e as startups tem ganhado seu espaço, se tornando empresas milionárias como o Facebook®. Conforme apresentou o CEO do site Milkpoint, Marcelo Carvalho, quando se olha para a lista das 10 maiores empresas do mundo, as que aparecem em 2017 não estavam na lista em 2007, e das 10 maiores em 2017, 6 são empresas ligadas a tecnologia e a internet, principalmente comércio pela internet.

No meio rural não é diferente, segundo o censo agropecuário 2017, de 2005 para 2017, o número de fazendas com acesso a internet cresceu em 1.790%. E os produtores estão cada vez mais se informando e trabalhando de forma digital. Outro ponto importante também muito discutido durante o evento foi perfil do consumidor. Continuando nessa linha de mudanças rápidas no ambiente em que vivemos, o consumidor também tem mudado, e com isso as empresas de lácteos vem buscando formas de se reinventar.

Ainda segundo Marcelo Carvalho o consumidor tem buscado cada vez mais por produtos naturais, orgânicos e frescos. Saber qual é o caminho que o leite faz, de onde vem, como é produzido, se tem qualidade, se os animais têm conforto e se a produção respeita as leis ambientais e trabalhistas, faz toda a diferença na hora da escolha do produto que será levado para casa. Com o objetivo de produzir para consumidores extremamente rigorosos, as indústrias e seus fornecedores de leite precisam se adaptar.

As mudanças também devem acontecer no campo, para que o produtor possa permanecer no mercado. A entrada da tecnologia nas propriedades, gestão administrativa, ambiental, financeira devem passar a fazer parte da rotina dos produtores de leite. Só assim, a cadeia vai conseguir enfrentar as dificuldades do dia a dia e alcançar esse consumidor que busca qualidade e inovação nos produtos que consome.

Com base nessas novidades do mercado, as palestras do evento falaram sobre gestão de pessoas, análise de dados financeiros, mercado de leite e como os produtores tem se organizado para melhorar seus rendimentos. Como o bem-estar e conforto podem trazer benefícios a saúde animal e aumento de produção.