Leite

laticínios

Laticínios

CRESCIMENTO CONTÍNUO NA PRODUÇÃO

O trabalho de lideranças rurais em busca da otimização da produção leiteira resume a atividade da cooperativa desde a fundação. A maioria das unidades e departamentos foram surgindo da necessidade da pecuária de leite e das soluções encontradas pela cooperativa garantir mercado e renda para os produtores.

Na década de 70, surgiu a produção de Leite B, inicialmente com cinco estábulos de Leite B. A melhor remuneração trouxe, logo depois, a adesão de mais nove produtores. Além desses fatores, houve a implantação da Central de Inseminação Artificial do Ministério da Agricultura, que tornou São Gonçalo conhecida nacionalmente, e a implantação da Central Regional de Vacinação – o GERFAMIG (que depois passou a IMA), conquistas que beneficiam até hoje a classe rural.

A Usina de Recepção de Leite sempre foi um sonho dos cooperados, construída já no final da década de 80. Funcionou primeiramente com a recepção do leite, que era apenas resfriado na usina, uma vez que todo o leite era entregue na Vigor. Aí iniciou a produção dos primeiros derivados como a manteiga e o doce de leite.

A partir dos anos 90, a Cooperativa passou de Recepção à Usina de Beneficiamento do Leite, comercializando com outras indústrias e também direto ao consumidor. A área do Laticínios foi triplicada, reformulada e implantou-se novas linhas de produção.

A Coopervass implantou Plano de Qualidade, passando a bonificar o produtor pela qualidade do leite. A área de fabricação de produtos lácteos foi ampliada e deu-se o início à coleta granelizada de leite, totalmente completada em 2000. O Programa de Revitalização das Cooperativas proporcionou a aquisição de tanques de expansão e de coleta a produtores e transportadores.

Provadores certificados.

Alguns itens da linha de produtos lácteos.

Produtos